- PUBLICIDADE -
domingo, 24 janeiro, 2021 - 08:46 AM
- PUBLICIDADE -

CASO BERNADO: Pai acusado de matar filho é encontrado morto na Papuda

Paulo Osório é acusado de matar o próprio filho, de 1 ano e 11 meses, em novembro passado

Paulo Roberto de Caldas Osório, 45 anos, foi encontrado morto na tarde deste sábado (11/4), na cela onde era interno, no Complexo Penitenciário da Papuda. O homem estava preso, acusado de matar o próprio filho, Bernardo da Silva Marques Osório, de 1 ano e 11 meses, envenenado. O caso ocorreu em novembro de 2019. De acordo com a Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe), Paulo usou a própria calça para produzir uma corda e se enforcar.

Paulo era servidor público e matou Bernardo em 29 de novembro do ano passado. Nesta data, o metroviário buscou a criança em uma creche na 906 Sul. No carro, entregou um copo com suco de uva ao menino. A bebida estava envenenada com três comprimidos de uma medicação para insônia, que era consumida pelo servidor público. Quando pai e filho chegaram à residência, na 712 Sul, começaram os preparativos para a fuga.

Bernardo passou mal ao menos duas vezes, dentro da casa. Paulo deu banho na criança e, pouco depois, o colocou na cadeirinha de segurança, no veículo dele. Em depoimento aos investigadores da DRS, o homem afirmou que o menino estava dormindo e que a intenção dele era seguir até a Bahia e ficar alguns dias com o filho para dar um “susto” na mãe dele.

Paulo relatou que pegou a BR-020, para seguir até ao estado nordestino. No caminho, ao parar num posto para abastecer, notou que Bernardo estava morto. Ele continuou viagem e, após o ponto de divisa entre Goiás e Bahia, deixou o filho e a cadeirinha em um ponto de mata. Policiais civis realizaram buscas na área indicada pelo acusado, mas não encontraram o corpo. No entanto, havia indícios de que o servidor mentia sobre a localidade para que os agentes não chegassem até o corpo do menino.

O corpo de Bernardo foi encontrado em 6 de dezembro, em Campos de São João (BA), em estado de decomposição, com a cadeirinha. Para se certificar que o corpo era mesmo de Bernardo, material genético do garoto foi encaminhado para Brasília para ser comparado com o DNA dos pais. O resultado foi positivo.

Assassino da mãe

Paulo Osório também matou a própria mãe, Neuza Maria Alves, 45, em 1992. O então jovem de 18 anos esfaqueou, asfixiou-a com um fio de náilon e colocou fogo no corpo. Ficou preso na ala psiquiátrica da Papuda e conseguiu a liberdade em 2004, ano em que a Justiça arquivou o processo. Após o caso Bernardo, o Judiciário pediu o desarquivamento dos autos para analisar os detalhes do assassinato de Neuza Maria Alves e o laudo de imputabilidade.

Informações Cb

Nos siga no Google Notícias
- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

Casal investe na produção de bebida fermentada milenar

Chá fermentado e produzido artesanalmente, a kombucha pode ser encontrada em feiras e mercados. Cultivo tem apoio da Emater Uma...
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo